Frederico Cattani
FCRT FCRT

2022: o ano para as startups

Quem não conhece o roxinho certamente está por fora de um dos assuntos mais comentados em 2021 no Brasil, seja pela chegada do Warren Buffet e Anitta ou por entrar na bolsa de valores de Nova York. Se hoje é fácil e acessível conversar sobre startups com qualquer pessoa, inclusive aquelas menos suscetíveis à tecnologia, é porque empresas emergentes como o roxinho, apelido dado à grande fintech Nubank, e inúmeras outras startups brasileiras como iFood, Hotmart e PagSeguros, cresceram consideravelmente ganhando lugar de respeito no mundo dos negócios.

 

Competidores de peso

Unicórnios existem e podemos provar. Ou melhor, os números podem provar. Unicórnios são startups avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares. Atualmente, existem cerca de 550 unicórnios espalhados pelo mundo, sendo aproximadamente 25 de naturalidade brasileira. E os números não param de crescer, principalmente frente aos investimentos feitos nessas empresas, que passam dos 50 bilhões de dólares só neste ano. Pois é, quem diria que o Brasil seria uma agradável surpresa e um competidor de peso neste negócio em franca expansão?

 

Novo ano, novas apostas

Quando se trata de edtech, fintech, medtech, foodtech e outros modelos de empresas de tecnologia, o lance para 2022 é dobrar as apostas e ficar atento às regras do jogo. Por estarem em busca de um negócio escalável e inovador em um ambiente de riscos, as startups precisam jogar conforme as normas, ainda mais em assuntos como sociedade, contratos, leis internacionais e a LGPD, que pode ser incorporada às novas empresas desde a concepção, o que chamamos de privacy by design.

São temas como esses que o nosso escritório vem movimentando ao longo do ano com palestras e debates, para mostrar que startups emergentes e bem assessoradas juridicamente podem ter uma captação de investimentos mais ágil, facilitando seu crescimento. Todos esses fundamentos foram temas de conversas nos diversos eventos que o nosso sócio-fundador Raphael Di Tommaso participou, como:

 
  • Palestra sobre “Marco Legal das Startups e do Empreendedorismo Inovador”, no Mind7 Startup em Caxias do Sul, segundo maior evento voltado a Startups do estado.
     


 
  • Painel sobre “Investimentos em startups e inovação”, promovido pela Frente Parlamentar para Startups, Empreendedorismo Inovador e Proteção de Dados da Câmara de Caxias do Sul, com o Founder da Angel Investor Club, Anderson Diehl, do Analista na Linha 19 Investimentos e Diretor no EA Angels, Luan Spencer, e do Co-fundador da CapTable, Guilherme Enck. 
     


 
  • Palestra sobre "Advocacia 4.0: a antiga versão será descontinuada", no Congresso Advocacia 4.0, evento nacional promovido pelo Portal Juristas e pela Digital Law Academy, com a presença de: Gustavo Rocha, Reille Gomes, Aicha Eroud, Bruno Arruda, Filipe Mallman, Mariane Siqueira, Luis Felipe Valfre, Wilson Roberto, Afonso Paciléo e diversos outros profissionais.
     



Além dos eventos, Di Tommaso também participou de um bate-papo descontraído sobre o Marco Legal das Startups para o Link Hélice com o advogado Gabriel Dupont e o Diretor Executivo do Instituto Hélice, Thomas Job Antunes, iniciativa que congrega empresas como Randon, Marcopolo, Soprano, Florense, Metadados, John Deere e Sicredi.


Se você quiser conferir, o programa está disponível no YouTube e vale a pena assistir: Parte 1 e Parte 2.



All-in

Assim como em um jogo, saber a hora certa de apostar na sua startup é a estratégia que pode proporcionar o sonhado prêmio do unicórnio. Mas nada adianta entrar no jogo sem estar preparado e saber as legislações postas à mesa. O ano de 2022 será propício para as empresas que tiverem suporte, estrutura e conhecimento para apostar suas fichas em tecnologia e inovação, captar investimentos e usar as novas tendências do mercado para crescer. 

O FCRT entende as nuances dos negócios emergentes, assegurando uma assessoria com abordagem individualizada, que se adequa à modalidade da sua “empresatech”. Afinal, se a obtenção de investimentos é sua meta do ano novo, a confiança e a segurança que sua startup transmitir devem ser a isca para atrair grandes investidores.