Frederico Cattani
FCRT Raphael Di Tommaso

Novos avanços da computação quântica

O que é computação quântica? 
 
A computação quântica é a ciência que estuda a forma como as propriedades da mecânica quântica são aplicadas na ciência da computação. Entre seus principais diferenciais, destaca-se sua aptidão para ampliar ainda mais a capacidade de cálculo dos aparelhos comuns. Isso porque, os bits quânticos (qubits) podem chegar a um resultado em um tempo muito mais rápido que um bit convencional, pois analisam diversas hipóteses simultaneamente.
 
O impacto da tecnologia quântica para a ciência e a tecnologia 
 
Apesar da constante evolução da computação quântica, especialistas acreditam que ela não trará uma descontinuação das tecnologias utilizadas atualmente, pois ao que tudo indica os computadores quânticos não servirão para os mesmos fins que os computadores comuns. Tendo como base a sua capacidade de processamento, a expectativa é que eles atuem para simular sistemas extremamente complexos como, por exemplo, sistemas biológicos, astronômicos, meteorológicos e moleculares.  
 
Há quem aposte ainda que a computação quântica poderá revolucionar a produção de medicamentos por meio da análise e cálculo exato de todas as propriedades quânticas dos átomos constituintes da molécula, por exemplo. De qualquer forma, a tecnologia quântica tem sido vista como uma possibilidade de avanço em diversos aspectos a longo prazo, podendo contribuir inclusive para o desenvolvimento de inúmeros sistemas científicos e tecnológicos.  
 
Riscos da computação quântica à proteção de dados   
 
Considerando-se o potencial evolutivo apresentado pela tecnologia quântica, muitas áreas da Tecnologia da Informação podem vir a ser beneficiadas por suas transformações ao longo dos anos. No entanto, toda história tem seus prós e contras. Junto das facilidades no processamento, também surgem inúmeras ameaças e riscos à cibersegurança.  
 
Hoje, a criptografia está em boa parte do que enviamos pela Internet e tem como objetivo principal a proteção de dados, transformando uma informação inteligível em algo incapaz de ser compreendido por um agente externo. O fato é que um computador comum dificilmente teria acesso a essas informações, enquanto um computador quântico possui alta probabilidade de atingir esse feito, representando uma ameaça à proteção de dados. 
 
Google anuncia novo computador quântico útil 
 
Recentemente, o Google realizou um projeto secreto de computação quântica, que teve por objetivo estabilizar os chamados qubits por tempo suficiente para solucionar problemas que outras máquinas levariam anos para resolver. O teste foi realizado por meio do chip quântico da empresa, Sycamore, que conseguiu desvendar o segredo por trás de um gerador de números aleatórios em apenas 200 segundos. Para se ter uma ideia, o mais potente dos computadores levaria pelo menos 10 mil anos para fazer o mesmo. 
 
Por esse feito, a Google atingiu a supremacia quântica, sendo considerada um importante marco científico para o desenvolvimento desta tecnologia. Contudo, cabe destacar que a capacidade do Sycamore ainda não pode ser compreendida como equivalente aos computadores domésticos em funções rotineiras. Além disso, o comportamento quântico dos bits só pode ser atingido em temperaturas próximas a zero, pois qualquer oscilação nessa temperatura pode prejudicar o seu bom funcionamento. Ainda assim, o resultado obtido pelo Sycamore traz grandes expectativas para o desenvolvimento quântico.  
 
A computação quântica e a LGPD 
 
Com os avanços na computação quântica, é imprescindível que usuários e empresas estejam atentos às políticas de segurança na Internet e às medidas que precisam ser adotadas para identificar, evitar e mitigar possíveis ciberataques. Com a iminência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrar em vigor, é preciso adotar uma estratégia baseada em riscos a fim de otimizar a segurança e a privacidade nas aplicações.